RECURSOS HUMANOS

 

Se existe um consenso em administração de empresas, certamente é a máxima de que “o maior e mais importante ativo das companhias são as pessoas”. Mas será que essa assertiva se transforma em realidade diante dos desafios impostos pelas restrições naturais da economia?

 

A resposta varia bastante conforme a origem e o estágio de desenvolvimento de países e empresas. A maioria das multinacionais e boa parte das grandes organizações brasileiras já implantou programas de benefícios, remuneração estratégica e desenvolvimento de pessoas que as tornam bastante competitivas na atração de talentos e na obtenção de resultados expressivos por meio do uso criativo destes talentos; isso, porém, nem sempre acontece nas pequenas e médias empresas, onde às vezes o termo “recursos humanos” está associado a departamento pessoal, custos e encargos.

 

Corroborando esta tese há um conhecido estudo conduzido pela Royal Dutch / Shell Group (coordenado por Aries De Geus) e publicado em 1997 que analisou um grande conjunto de organizações e concluiu que as chamadas empresas “vivas” prosperam por séculos – a sueca Stora tem mais de 700 anos – ao passo que muitas empresas novas e promissoras não chegam aos 20 anos. A conclusão é que a diferença está em seus gerentes. No primeiro caso este grupo de profissionais é preparado para pensar a empresa como algo duradouro e seu compromisso é com a criação de um ambiente ao mesmo tempo seguro e dinâmico, onde as pessoas contribuem permanentemente com idéias que estimulam o crescimento e a renovação. Já no grupo de empresas efêmeras, os gestores têm o olhar muito mais dirigido ao lucro econômico imediato e esquecem que a organização é uma comunidade de seres humanos fazendo negócios para sobreviver.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Nossa atuação ocorre na análise das ações existentes em termos da gestão de recursos humanos e na implantação das bases para o desenvolvimento permanente das pessoas, o que inclui, num primeiro momento:

 

  • Compreensão dos ambientes externo e interno que atuam sobre a organização; conhecimento da missão, visão e valores que ditam os rumos da empresa.

  • Atuação sobre o tema atração e retenção de talentos. Estas preocupações pressupõem a definição e implantação de planos de remuneração, desde a estrutura de cargos e salários até programas de remuneração estratégica para gestores e planos de benefícios. Definições de cargos são feitas em torno das necessidades dos clientes.

  • Atenção na retenção de talentos e desenvolvimento de pessoas, exigindo o desenvolvimento e implantação de programas de avaliação de desempenho. Também está implícita a elaboração de plano de carreira e desenvolvimento profissional. Para implantar os programas de atração e retenção de profissionais, podemos também contar com a parceria da Hicon Consultoria.

  • Seguindo em frente, contamos com a parceria da PRP Coaching para contribuir com o desenvolvimento das pessoas que ocupam posições-chave nas empresas ou que, por seu desempenho e competência, são tidos como promissores decision makers.

 

Uma base assim edificada proporciona oportunidades contínuas de aumento da produtividade em geral das empresas por meio do uso permanente da criatividade das pessoas. Este ciclo faz com que os lucros cresçam proporcionalmente ao incremento da produtividade e à decorrente redução de custos e desperdícios. Finalmente, contar com uma equipe preparada e motivada é condição necessária para ganhos em termos de qualidade.